Veneza, Milão, Verona e Como

Quando minha mãe pediu para que eu fizesse o roteiro, confesso que eu nem pensei em Veneza. Já tinha ouvido falar sobre a cidade e não tinha interesse em conhecer. Mas minha mãe quis e, assim, fomos!

Veneza é exatamente o que vemos nos filmes: totalmente cenográfica! É linda e diferente: não há lugar igual no mundo. As ruas são estreitas e mais parecem labirintos: nos perdemos inúmeras vezes!

Se valeu a pena? Sempre vale, né? Mas não pensaria em voltar. É turística, interessante, mas não ganhou meu coração (mas não se decepcione, cada um tem uma opinião diferente – conheço muitas pessoas que AMAM!). Ficamos em um hotel bem pertinho da estação central para evitar pegar táxi ou barcos (não sabíamos ao certo como isso funcionava e não queríamos arriscar.

O hotel foi o Ca dei Polo (como já disse em posts anteriores, na Itália, não devemos olhar muito para a decoração). De fato, o hotel é muito próximo da estação central, mas tivemos que contratar um maleiro, pois há muitas escadas e o valor é super em conta (5 euros por mala, independente do tamanho).

Não tenho dicas de restaurantes em Veneza. Nada que tenha chamado a atenção.

Fomos conhecer Burano e Murano (pegamos o barco bem pertinho da estação central de trem) e valeu muito! Neste dia, em que fomos conhecer as ilhas, compramos um passe de transporte público para o dia todo e não nos arrependemos. Não só vale para conhecer outros lugares, como facilita muito o deslocamento na ilha. É como um metrô (vai parando em várias estações) só que em cima da água. É pontual, seguro… excelente!

Também tivemos passeio de gôndola. Rendeu várias risadas! Algo que eu não tenho pretensão alguma de fazer novamente: não foi muito agradável e nem romântico hahahahha. Mas você vai para Veneza? Acho importante viver essa experiência. O passeio é 80 euros e pode ser feito com até 6 pessoas na gôndola.

Foram 2 dias em Veneza e eu achei que valeram. Um dia para museu, praça e ruelas e o dia seguinte para Burano, Murano e gôndola. Em minha opinião, não precisa mais que isso. Mas, como eu disse, não é uma cidade que ganhou meu coração. Tem gente que ama muito! Vá e viva sua experiência!

Saindo de Veneza, pegamos um trem para Milão (a essa altura dos posts, você já sabe que tudo compramos antecipadamente, não é?! Veja post anterior!).

Ah, Milão! O que eu vou dizer? Acredito que seja uma das minhas cidades preferidas no mundo! Achei linda demais! O antigo que se mistura com o moderno, as ruas amplas, a beleza em cada cantinho… Quero voltar!

Em Milão, como sempre escolhemos, o hotel foi bem pertinho da estação central. Um hotel grande, com café da manhã bom e com uma localização excelente (fizemos muito a pé).

Foram 5 dias em Milão (mas em um dia fomos a Verona e, em outro, a Como, como eu contarei depois).

Já no primeiro dia visitamos a Duomo e subimos até o terraço. Os ingressos foram comprados antecipadamente com hora marcada e subida por elevador – no final da viagem já não estamos mais tão empolgados em subir muitos degraus, não é mesmo?

Já visitei muitas igrejas e subi até cúpulas e torres, mas em Milão é uma experiência diferente: você caminha no telhado da Duomo. É incrível!

Lá pertinho, tem um restaurante muito bom: Da Regina. Recebemos indicação e ele não decepcionou. Não precisa fazer reserva. A comida não é magnífica, mas é muito boa!

Falando em comida, se você estiver perto da Duomo há duas visitas obrigatórias. A primeira delas é no Panzerotti Luini Luini, uma espécie de pastel frito, mas a massa é de pão. Como minha família é de origem italiana, minha avó sempre fritava massa de pão para comer com sopa de feijão. O gosto, para mim, foi de infância. A fila é enorme, mas o atendimento é rápido. Vale muito! Só fique atento aos horários e dias de funcionamento: voltamos na segunda-feira para comer novamente e estava fechado.

Após comer um panzerotti, gelato de sobremesa, claro! Bem em frente, há a gelateria Cioccolati italiani. O que era aquilo?! Não dei muita bola no começo porque achei “enfeitado demais”. Mas além de ser muito bonito, o gosto é incrível! Meu preferido, como sempre, foi o de pistache.

Pra encerrar as dicas gastronômicas de Milão, em um dia à noite fomos até o bairro Navigli que é uma delícia de lugar. Cheio de opções de restaurantes legais, optamos pelo Il Moltalcino (tem que fazer reserva, mas conseguimos mesa para 6 pessoas, pois chegamos às 19h, assim que abriu). Lá eu pedi por um prato de ovos e trufas brancas…. magnífico! Teve os que pediram risoto, outros macarrão e, outros, pizza. Todo mundo adorou!

Em Milão, há uma das obras mais famosas do mundo: “A última ceia” de Leonardo da Vinci. Ao contrário do que eu pensava, não é um quadro mas, sim, uma pintura em parede. Para conseguir ingresso, não é uma tarefa simples. Isso porque as visitas são com horário marcado, com guia turística e em grupos de 25 a 30 pessoas. A obra é apreciada por 10 minutos, aproximadamente e, depois, uma porta de abre e, gentilmente, o grupo é convidado a sair.

Se você for, deve se programar com antecedência para comprar os ingressos (esse é o site oficial). Mesmo nós tendo planejado a viagem meses antes, não conseguimos ingressos nos sites oficiais e, assim, pagamos caro (mas valeu o preço) no site Viator. Tivemos um grupo, guia e horário marcado (tem que chegar 20 minutos antes). É uma daquelas coisas: está em Milão, não pode deixar de visitar esta obra.

Como eu disse anteriormente, 5 dias dormindo em Milão, mas dois dias com bate-volta.

O primeiro deles foi em Verona para visitar a casa de Giulietta e dar uma volta pela cidade. É maravilhosa! Hoje, após a visita, eu pensaria em mudar o roteiro e, quem sabe, dormir por lá. Verona inspira muito!

O último dia de viagem foi um bate-volta para conhecer o Lago di Como. Desta vez, sem passagens antecipadas. Compramos no dia, minutos antes de partir (em uma estação de trem). É só se informar em qualquer metrô que as orientações são simples. É um dos lugares mais lindos que eu já pude ver na minha vida. Se você for a Milão, não deixe de visitar.

Espero que você tenha gostado das dicas e torço para que você visite a Itália o quanto antes. As pessoas te recebem bem, a comida… sem comentários, não é?! E a beleza é estonteante!

Se quero voltar? Muitas vezes!

Com carinho,