Roma e Vaticano

Minha mãe tinha um sonho: levar a família para a Itália quando se aposentasse. Com muito planejamento (foram mais de 3 anos estudando roteiros, revendo orçamentos e programando a viagem) em setembro deste ano, fomos. E Roma foi a primeira parada! Aqui, vou contar tudo aquilo que eu acho que vale a pena.

Hotel onde ficamos: Smooth Hotel Rome Republica

Sobre os passeios:

Para visitar o Coliseu, compramos os ingressos antecipadamente e com hora marcada. Sempre compramos os ingressos com mais de 2 meses de antecedência para poder escolher o melhor dia e horário. Também escolhemos uma visita guiada (não havia em português, optamos pelo espanhol). A guia turística faz toda diferença para entendermos mais a história do local.

Falando em guia, eu indico contratar alguém para a visita ao Fórum Romano. Também compramos ingressos antecipados, mas sem alguém para nos orientar sobre o local. Sentimos que fez muita falta! Ficará para uma próxima viagem…

Vaticano: minha família é muito católica. Por isso, ver o Papa era um sonho. Assim, nos programamos para estar em Roma em uma quarta-feira: dia da Audiência Generale (ocorre todas as quartas-feiras às 9h30, mas veja sempre o calendário do Papa no site oficial do Vaticano, pois se ele está em viagem, não há celebração). Para participar, enviamos um e-mail (o modelo segue abaixo):

Gentili signori,

Vorrei chiedere i biglietti sottoscritti:

Nome Del Richiedente: NOME DO REQUERENTE

Numero di biglietti: NÚMERO DE PESSOAS QUE VÃO ASSISTIR A CELEBRAÇÃO

Celebrazione:

UDIENZA GENERALE DI SUA SANTITÁ FRANCESCO – (DATA COMPETA)

In Attesa di un riscontro,

Vi Ringrazio,

NOME DO REQUERENTE

ao endereço [email protected] .Neste caso, você tem que pedir com muita antecedência, pois nós enviamos em fevereiro e a resposta só chegou em julho (pouco antes da viagem que aconteceu em setembro). Imprima a resposta do seu e-mail (eles não aceitam a imagem do celular) e busque seu convite um dia antes ou no dia da missa. Só entra na praça de São Pedro quem se programou antecipadamente para tal.

O Papa passa abençoando e depois faz uma celebração. É, realmente, algo muito bonito. Mas, se for no calor, prepare-se: sombrinha, chapéu, roupa leve e confortável (lembre-se de ter pernas, ombros e peito cobertos).

Depois, a praça fica fechada até que o Papa se retire. Quando fomos, isso durou mais de 2 horas pós celebração. Água tem nas fontes, mas leve uma comida para a espera ser mais agradável. Se vale a pena? Com certeza! A praça fica fechada e, assim que o Papa vai embora, podemos visitar a Basílica de São Pedro (maior Igreja do mundo). Sem filas, sem confusão, bastante simples.

Mas, não posso deixar de contar a vocês o melhor que aconteceu ANTES mesmo da celebração com o Papa. Compramos, também antecipadamente, um ingresso que se chama “Breakfast at museums”. Entramos nos museus do Vaticano às 7h30 (antes da abertura oficial), fomos recebidos com um café da manhã delicioso (padrão hotel muito bom) e, depois, visitamos a Capela Sistina com poucas pessoas como companhia. Foi, realmente, algo incrível. O ingresso não custa barato, mas valeu cada centavo. Programe-se com antecedência. Acredito que são 40 vagas por dia.

Comida: o que eu indico?

Il Gelato di San Crispino – ir à Itália e não se render aos gelatos é impossível! Todos os dias, um sorvete diferente. Tivemos oportunidade de provar vários, mas um ganhou nosso coração: Il Gelato di San Crispino, bem pertinho da Fontana di Trevi e com um sabor que você vai pedir: pêssego com merengue (algo diferente, muito bom e que já deixou saudades).

Grazia e Grazziela – Fica em Trastevere, um bairro que você tem que conhecer. Este restaurante foi indicado e sempre está cheio. Espere por filas, mas saiba que são rápidas (quando você menos espera, é chamado). Lá, pedimos alcachofra frita e bruschetas de entrada. Como prato principal, testamos o risoto de aspargo e queijo grana e o canelloni de ricota e espinafre ao molho de manteiga e sálvia. Tudo DELICIOSO: a comida, o ambiente, as ruelas por perto…

Lindt – para quando você tiver vontade daquele gelato com muito açúcar! Que delícia!

Osteria Barberini – Trufas e mais trufas. Chegamos na época delas e aproveitamos o máximo que podíamos. Este restaurante é conhecido por seus pratos com trufas (brancas e negras) e não há muito o que falar: vale muito a pena! Faça reserva (o local é pequeno e vive lotado) e prepare-se para comer algo inesquecível… (claro, se for lá, coma trufas!).

No próximo post sobre a viagem, contarei mais sobre Florença e Cortona!

Te vejo em breve!