Equilíbrio físico e energético com cone chinês

Cone Chinês – também conhecido como Cone Hindu ou Vela de Hope – é uma técnica terapêutica milenar utilizada por vários povos, entre eles os chineses, indianos, gregos, egípcios e pelos povos ameríndios.

Ele é feito de tecido de algodão (ou gaze) e cera de abelha. O lado menor do cone é colocado no orifício do canal auditivo enquanto a parte maior é acesa com fogo. O interagente deve receber a aplicação nos dois ouvidos e sua posição deve ser deitado lateralmente (para desequilíbrios físicos). Para a parte energética, a aplicação segue a mesma do Reiki (com o interagente deitado de barriga para cima e/ou para baixo).

O calor suave que entra no canal auditivo vasodilata a região fazendo a energia que está estagnada se movimentar, atuando nas cavidades do ouvido, nariz e garganta (melhorando o sistema respiratório). Dessa forma atua nos desequilíbrio físicos e energéticos dessa região.

Esse estímulo térmico (quente suave) é bem relaxante e ajuda a tratar cera em excesso ou coceira no ouvido, rinites e sinusites. Também ajuda em alguns casos de enxaqueca, zumbido no ouvido, perda parcial da audição e do olfato, tontura e labirintite. Além disso, faz a limpeza energética (alinhamento energético) dos chakras, principalmente do 5° e 6° (quando aplicado no ouvido), mas sua aplicação pode ser realizada em cada chakra também (para o alinhamento energético, assim como o Reiki).

A sessão leva em torno de 45 minutos e consiste na aplicação do cone e auriculoterapia (para que o interagente possa manter o tratamento em casa por mais alguns dias).

A quantidade de sessões depende muito do objetivo. Para equilíbrio energético não há uma quantidade mínima ou máxima. Já para os desequilíbrios físicos em alguns casos é recomendado fazer semanalmente ou de 15 em 15 dias (conforme orientação do(a) seu(sua) Naturólogo(a).

Pode ser realizada em crianças (desde que elas consigam ficar paradas deitadas de lado), adultos e idosos.

Essa técnica tem como contraindicações pessoas que recém fizeram lavagem do ouvido (aquela feita com médico ou em farmácia), que fizeram alguma cirurgia no ouvido/nariz/garganta ou que irão para piscina/mar/rio (pois a sensação de submergir com o ouvido limpo pode dar um certo desconforto). Também não é indicado para quem já está com uma inflamação nesses locais, como otites (dor de ouvido), dor de garganta, gripe, etc.

Existe um grande mito de que o que sobra no cone seria toda a cera que ele supostamente puxaria do ouvido. Só que não é bem assim. Até tem um resquício de cera, mas os resíduos são na maioria a decomposição da cera de abelha presentes no cone. 

Post: Lucy Stein