O que você quer ganhar?

Hoje eu estava atendendo uma interagente e ela me contava sobre sua vida e, então, passou a compartilhar um pouco do que havia observado nos últimos dias. Semana passada estávamos em uma incerteza com a greve dos caminhoneiros e isso balançou o equilíbrio emocional de muita gente. Ela disse que o desespero era visível e passou a expor sua opinião sobre o que vê no dia-a-dia: pessoas com pressa, olhos grudados no celular, não há mais bom dia, boa tarde ou boa noite nos elevadores. Sorrisos sinceros passaram a ser raros e elogios já não acontecem. Na opinião dela há uma distância bastante grande entre as pessoas e essa era sua queixa principal.

Esperei ela desabafar sua frustração e, quando tive uma oportunidade, questionei: “e a sra.? O que está fazendo para mudar essa situação?”.

É comum  querer muito e não se questionar: “o que eu posso oferecer?”. Estamos vivendo uma era em que queremos saber o que a pessoa, lugar ou rede social tem a nos proporcionar, sem pensarmos que podemos ser agentes diretos para uma mudança efetiva naquilo que desejamos obter.

Quando você vai a uma festa, por exemplo, você pode reclamar que está chata porque ninguém dança ou, então, você pode começar a dançar para tornar o evento mais agradável ao seu gosto. Você pode ficar se queixando porque é difícil fazer amizade após os 30 anos ou, quem sabe, conversar com pessoas desconhecidas e ouvir com interesse o que elas têm a dizer – quem sabe surja daí uma nova amizade…

O fato é que você pode ficar em um ciclo de reclamação constante e acabar não percebendo que você está agindo igual às pessoas das quais você reclama.

Por isso, te convido a analisar: o que você pode fazer de diferente diante da reclamação que você tem hoje?

Independente do que seja, eu sugiro três ações para seu dia fluir com uma energia diferente:

  • um sorriso para um desconhecido;
  • um elogio sincero;
  • um agradecimento antes de dormir;

Espalhe toda a energia, palavras e ações que queira receber de volta. Veja o que acontecerá com a sua vida. Você ganha aquilo que doa.

Um beijo,

Renata hermes